Afinal, como funciona a precificação de um imóvel? Entenda!

Decidir a hora de adquirir ou vender um imóvel parece ser a etapa mais fácil desse processo, não é? A partir desse ponto, surgem muitas outras fases que exigem atenção e paciência do comprador ou vendedor. No entanto, poucas causam mais dúvidas do que a precificação de imóvel.

Se esse for o seu caso, não se desespere! Estamos aqui com dicas de ouro para ajudá-lo a entender como identificar o preço correto de uma moradia. Acompanhe nosso post!

Como é feita a precificação de imóvel?

Em nosso país, há um órgão responsável por fornecer o preço médio para compra e venda de imóveis. Essa entidade é a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) que utiliza o índice FipeZap para definir esses valores.

No entanto, o FipeZap é apenas um parâmetro. Sendo assim, dependendo das características de uma residência, o seu valor poderá ficar abaixo ou acima da linha de preços desse indicador nacional. Mas que critérios elevam ou derrubam a cotação de um imóvel? Vejamos.

Tamanho da moradia

A metragem de uma residência pesa bastante na sua valorização. E isso é razoável, afinal, quanto mais espaçosa for a moradia, haverá um número maior de cômodos e de áreas livres para o lazer e outras conveniências dos moradores.

Devido a isso, um apartamento duplex é mais caro do que um padrão em um mesmo residencial. Então, um investidor terá maiores lucros na compra de um imóvel maior. Em contrapartida, um comprador pagará mais caro, mas obterá uma moradia mais valorizada.

Documentação

A parte burocrática também impacta no preço da residência. Por exemplo, um proprietário que oferece um imóvel em inventário, alvo de disputas judiciais, sem registro em cartório, com atrasos nas taxas públicas etc., sofrerá uma queda enorme no valor dessa moradia.

Por outro lado, enquanto faz uma pesquisa, o comprador se deparará com dois tipos de imóveis com características muito parecidas, mas com valores diferentes. O motivo pode ser que um está com a documentação organizada e o outro não. Nesse caso, vale a pena gastar um pouco mais e realizar uma aquisição tranquila.

Tipo de construção

Quando falamos em tipo de construção, estamos nos referindo há dois fatores:

  • padrão; 
  • modelo do imóvel.

Vamos exemplificar. Um imóvel pode ser considerado de alto, médio ou baixo padrão. Além disso, ele talvez pertença à categoria de casa ou apartamento localizado em um prédio comum ou condomínio pay per use.

Mesmo estando na categoria casa, a moradia talvez seja de veraneio ou de utilização diária e o apartamento pode ser um loft, studio ou triplex. Enfim, dependendo do padrão e modelo, o vendedor terá em mãos um alto ou baixo valor para o seu produto. Já o comprador, poderá ou não ter que desembolsar preços mais altos.

Comportamento do mercado imobiliário

A atitude do setor imobiliário também impactará a precificação do imóvel. Recentemente, tivemos uma prova disso com a crise financeira que atingiu o Brasil. Devido a ela, as pessoas diminuíram o seu poder de compra e, como consequência, os preços dos imóveis despencaram.

Entretanto, o valor de uma moradia pode decolar se ela estiver localizada em uma região em crescimento e que atrai um público de alto padrão. Além disso, empreendimentos que oferecem projetos inovadores de residências, e conseguem um fluxo de venda com elas, fazem o preço desse tipo de imóvel subir.

Em vista dessas oscilações, tanto o vendedor quanto o comprador precisam ficar atentos às sinalizações do mercado imobiliário. Isso pode ser um trunfo, pois um imóvel desvalorizado hoje pode não o ser amanhã.

Desse modo, faça o possível para seguir as dicas que demos neste artigo. Temos certeza de que conseguirá fazer bons negócios!

Gostou deste conteúdo? Entendeu como é realizada a precificação de imóvel? Então, aproveite e leia também: Saiba como funciona a compra e revenda de lotes!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *